Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Arrelia do Quico

Somos todos filhos do Sol e amigos do Ventor

A Arrelia do Quico

Somos todos filhos do Sol e amigos do Ventor

quico.jpg

O Quico continua a observar-nos

Ele eras o mais lindo dos meus amigos. Eras o mais belo companheiro que qualquer pessoa gostaria de ter

 

 

 

 

Hoje tenho outro companheiro, amigo do coração, a que vim a chamar Pilantras.

A tua Dona diz que foste tu e a deusa Bastet que o enviaste para nós. Parece que o nosso amigo Pilantras continua a querer  ser tal  como tu eras.

Eu até acho que foste tu que lhe deste instruções para saber conviver comigo. Em muita coisa são muito parecidos. Pelo menos, tudo indica que sim.

Mas tu adoravas animais e ele não. Nunca me esqueço da tua luta para eu salvar o besouro a afogar na água entre os tronquinhos de bambu


Estas são as janelas da Grande Caminhada do Ventor


Qui | 30.07.09

O Sardão da Peneda

Ventor

Mais uma das histórias do Ventor!

No dia 11 de Julho, descendo com o Alex e com a Tina aquelas escadarias da Senhora da Peneda, quando Apolo já beijava todo o vale, o Ventor disse-me que se apercebeu, ainda um pouco longe que, lá em baixo, num outro lance de escadas, havia uma imagem que, pela forma, lhe parecia familiar.

À medida que nos aproximávamos, o objecto e a sua sombra deixaram de parecer um sardão e passaram a ser o sardão!

O Ventor caminhava e, como costuma, ia olhando tudo em volta, como se costuma dizer, sempre com um olho no burro e outro no cigano e se ali não haviam nem burros nem ciganos, sempre haveriam cobras e lagartos! E, então, apercebeu-se que se tratava de um objecto que com a sua forma e sombra lhe fazia lembrar um sardão ou, então, teria de ser mesmo um sardão.

Caminhando mais um pouco, apercebeu-se que se tratava de um sardão e, por sinal, um sardão bem atrevido na sua maneira de olhar o mundo, o Ventor e os amigos!

Ele não queria acreditar que o seu local preferido seria também um local de tormenta devido à gente que por ali passa, mas o Ventor sabe que ele pode arranjar melhor palácio por ali

Primeiro, ele não fugia dos três caminhantes que, sem pressas, se dirigiam em sua direcção e, apontando as máquinas, começaram a fazer "fogo"! Click ... click ... click ...

Então o bicho que, mesmo não sendo duque nem conde da Peneda, impertigou-se contra os paparasis atrevidos que lhe estragavam a toma das benesses do nosso amigo Apolo que, na Peneda, àquela hora da manhã, sabem sempre bem. Portanto, nem pretendia retirar-se, nem dar benesses àqueles paparasis feitos à pressa.

O seu sossego é permanentemente perturbado pelos turistas que nunca se cansam de desgastar as escadarias da Peneda

Mas quando se convenceu que aqueles três não se desviavam nem que a vaca tossisse, ele torceu-se um pouco e arqueou o rabo em tom de ameaça. Disse-me o Ventor que imaginou logo um sardão reguila e cheio de juventude, julgando-se um novo senhor do mundo. Mas o Ventor que chegou a pensar que aquele reguila iria avançar para ele, lembrou-se que esses marotos já têm feito isso, embora nunca com ele. Mas conheceu casos desses, tais como mulheres vestidas com saias ou vestidos com tons vermelhos. Mas o Ventor que ia um pouco à frente da Tina, reparou que ela não levava nada vermelho e se o bicho lhe passasse pela cabeça uma sortida, seria ele o primeiro alvo e imaginou-se com o sardão agarrado às calças lembrando-se dos gritos do seu companheiro de guerra, Coutinho, que em Marrupa, numa noite da caçada às ratazanas, gritava: "Ventor esta gaja não me larga as calças"!

Chateado ou não, ele terá dito: "chiça! Será que não irei ter sossego"?

Seria o sardão reguila capaz de atacar o Ventor?

Nah! Ele achou que não, mas quem sabe? O sardão esteve preparado para o impulso, mas tomou o caminho certo. Desceu o degrau e enfiou-se no seu palácio de verão!

Agora que me recordo do que o Ventor me tem dito sobre a romaria da Senhora da Peneda, com os romeiros a subir e a descer as escadas, que fará o lagarto em Setembro?

Será que se junta à malta e vai com eles pedir a protecção da Senhora da Peneda?

Seja o que for que aconteça, o Ventor já pediu à Senhora da Peneda para dar protecção ao sardão, seu guardião porque, sendo assim, ele ainda vai conseguir animar outras gentes e, quem sabe, num dia dos próximos anos, o Ventor volte a ver o bicharoco como ele gosta! Todo vestido de verde com aquela grande papeira azul e, a dizer ao Ventor que já é o amigo que ele esperava - o Grão Sardão - Duque da Peneda!

E, mais uma vez, lá decide refugiar-se nos seus aposentos

Ele é ainda um rapazola, quando um dia, com sorte, for mais velho, será um grande lagarto. Na passagem da Peneda, para Lamas de Mouro, fica a Portela dos Lagartos e todo o ambiente da serra da Peneda é propício à existência de grande lagartos ou sardões. Com um pouco de sorte eu acho que um dia, o Grão Sardão, fará jus à célebre Portela dos Lagartos!

Acredito que este seu parente morreu de hipotermia e não afogado! A água não é muita e escorre por entre as pedras, mas o frio nocturno sim e ele não terá tido oportunidade de se safar dali. Afinal, ele apareceu na Primavera para apanhar banhos de sol e não fazer natação!

Este seu parente, terá caído à água que desce da cascata da Meadinha e passa por baixo do Hotel e por baixo do terreiro da Peneda, frente à igrela. Há um local à saída do Hotel que é aberto, mas depois passa por baixo do terreiro. Foi nessa abertura que nós o vimos de papo para o ar e metia pena ao sabermos que ainda teria tanta vida pela frente!

Ele ter-se-á metido em bolandas e, como a água é gelada, terá morrido de hipotermia. Por aqui devemos acreditar que tal como os homens, nem todos os lagartos têm sorte.


O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia

5 comentários

Comentar post