Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Arrelia do Quico

Somos todos filhos do Sol e amigos do Ventor

A Arrelia do Quico

Somos todos filhos do Sol e amigos do Ventor

quico.jpg

O Quico continua a observar-nos

Ele eras o mais lindo dos meus amigos. Eras o mais belo companheiro que qualquer pessoa gostaria de ter

 

 

 

 

Hoje tenho outro companheiro, amigo do coração, a que vim a chamar Pilantras.

A tua Dona diz que foste tu e a deusa Bastet que o enviaste para nós. Parece que o nosso amigo Pilantras continua a querer  ser tal  como tu eras.

Eu até acho que foste tu que lhe deste instruções para saber conviver comigo. Em muita coisa são muito parecidos. Pelo menos, tudo indica que sim.

Mas tu adoravas animais e ele não. Nunca me esqueço da tua luta para eu salvar o besouro a afogar na água entre os tronquinhos de banmbu


26.11.07

O Ventor e os Pingas


Ventor e Quico

Olá, Maralhal!

Vocês, se calhar, não acreditam mas já ando a ficar chateado. Chateado, especialmente, com o Ventor!

Os amigos nunca se deviam zangar, mas eu já não tenho paciência para o Ventor! Ele passa a vida fora e dentro e eu nunca sei por onde ele anda. Só que ele deixa sempre um rasto! Quando eu quero saber por onde ele andou vou direito à máquina fotográfica e zás. Está lá tudo escrito!

Cada vez tem mais amigos e cada vez mais tempo gasta com eles. A mim quase já só me dá de comer! Eu amuo, mas ele não me passa cartão. Só me pergunta o que tenho! Mas isso não chega. Eu preciso de toda a amizade do Ventor. Preciso das suas festas ... das suas conversas ... das suas histórias ... de tudo! Mandou-me estudar Alexandria e nunca mais me ligou!

Hoje os Pingas pequenos estiveram a ensiná-lo a tomar banho. Eu já o ensinei como devia fazer, mas ele não liga. Ele já sabe que tem de utilizar as duas mãos. A direita e a esquerda, mas não quer saber! Vai para a casa de banho, usa umas coisas muito esquisitas, umas espumas esquisitas como aquela que a minha dona me põe algumas vezes no meu pelo e outra para aquela pele "descapotada". O bicho homem é tão mau que nem os pelos lhe crescem. Uns pelinhos na cabeça, e pouco mais! Será devido à maldade?

Nah! Não pode ser. O Ventor nem é mau! É chato, mas não é mau!

Mas hoje foi para o meio dos cisnes. Ele tem muita pena da Desterrada!

Esta Desterrada é filha do ano passado do Pingas e uma especial amiga do Ventor

A Desterrada ainda está pior que o outro amigo do Ventor, aquele Desterrado a que chamaram o El Cid. Este ainda lutava e a luta torna a vida activa e com a vida activa o corpo resiste muito tempo se não tiver o azar de morrer mais cedo. O Cid lutava contra inimigos internos e externos, entre estes os sarracenos. Mas a desterrada, a filha do Pingas que ele baniu do lago, não pode lutar com nada. Às vezes o pai dá-lhe uma trepa pelo lago fora, sempre que ela se atreve a entrar nele. Mas ela já aprendeu como levar-lhe a melhor. Fora do lago, ela ganha-lhe. Ela é mais leve e jovem e caminha melhor em terra e ele mais velho e pesado, vê-a ir!

O mano da Desterrada fugiu e esteve um senhor a dizer ao Ventor que ele ainda voltou, que desse por isso, duas vezes, mas depois partiu e nunca mais voltou! Esse homem disse ao Ventor que, se calhar, veio buscar a irmã para irem os dois à procura de mundo, mas talvez a irmã se recusasse por medo ou porque não teria força física e psicológica para abandonar a terra onde nasceu - a Amadora!

Estes Pinguinhas são os filhotes de este ano de 2007 do Mr. Pingas e também amigos especiais do Ventor. Triste, triste, vai ser um dia, quando o Ventor chegar ao lago e não os ver

Agora o Ventor diz que, antes da primavera, os Pinguinhas novos, vão ter de cavar à frente do pai Pingas e vai ser uma chatice porque, se não forem capazes, por falta de suficiente arcabouço para iniciarem a sua grande caminhada, começam a haver desterrados a mais . Mas, se tudo correr bem, quem sabe se estes dois pinguinhas não se põem a  caminho de terras gélidas e até levem a irmã com eles! Até podem ir para a Finlândia! Ai coitadinhos que podem morrer gelados!

Vamos esperar para ver como vai ser. Será que chegaremos a saber? Se o Ventor souber eu ainda vos contarei.


O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia

12.11.07

Ontem foi dia de S. Martinho


Ventor e Quico

No sábdo fiquei danado porque a minha "avó" foi, com o Ventor e a minha dona, para a festa de S. Martinho, mesmo coxa!

A Minha dona teve sorte. As castanhas foram caras mas eram óptimas

Mas ontem, o Ventor disse-me que a festa de S. Martinho ia ser só para nós. E foi! Com uma visita ou outra para trincar uma castanha ou para beber um copo de água-pé mas, na verdade, é que segundo me disse o Ventor, a festa no sábado foi de arromba, pois fazer pouco mais de 200 kms para comer meia dúzia de castanhas e beber um copo de água-pé, com os amigos, só bicho homem é capaz de fazer. Bicho gato não se mete nisso.

Quando cheiro o copo do Ventor, a única coisa que me vem à lembrança é perguntar-lhe: "olha lá, porque bebes esta coisa"?

A resposta do Ventor é sempre a mesma: «para variar»!

Num verão de S. Martinho tão quente, tudo serve para matar a sede

Acarretar castanhas para tão longe, a 4,86 € o Kg, é obra! E ainda o Ventor pede ao Senhor da Esfera, «Castanhas para Todos»!

Sabem que o Ventor viu castanhas a 0,75 € o kg? Pois foi. No "Pão de Ló"! Ora bem, ele chegou a casa, sem castanhas, e disse à minha dona que nem de borla as queria. Já agora, fiquem a saber também, que um amigo do Ventor comprou, numa esquina, uma dúzia de castanhas assadas e só aproveitou 3. Três, vejam lá! Deu uma fortuna por três castanhas! Ainda bem que eu não como castanhas.

Mas à parte as castanhas que a minha dona comprou na Praça da Amadora a 4,86 € e que saíram muito boas, e a falta do nosso amigo Afonso, o Ventor disse-me que teve um dia em cheio. Só teve azar numa coisa! Procurou, procurou, procurou e não encontrou o Sr Cacheiro! O Senhor Cacheiro é um novo amigo dos avós do Afonso que lhes apareceu à noite, deixou um recado para o Ventor e o Ventor, ao receber o recado, ainda foi à procura dele, no dia seguinte, mas não o encontrou.

Mas os amigos do Ventor estão sempre presentes. Se não forem uns, serão outros

Assim, no sábado à noite, sem febre, o Ventor teve de partir sem o conhecer. Se calhar era para falar dos Cacheiros que o Ventor encontrou mortos nas estradas. Três em Espanha e um em Portugal. Também deve ser terrível a vida para os Cacheiros espinhosos!

Mas giro foi a seguir ao almoço com a chegada da caminhada do Ventor. O Ventor pediu para lhe abrirem o portão com o comando e ala que se faz tarde! Então não é que quando chegou, uma amiga bancária, ralhou com ele! Então o Ventor foi-se embora e nem convidou ninguém para o acompanhar? E o Ventor com a sua voz de comando: «não perco tempo com inutilidades»! Já sabia que ninguém queria fazer 2 a 3 horas numa caminhada comigo! E ela rrespondeu: "estava cá je! Eu ia consigo"! Passo a vida sentada ou de pé, mas caminhar, está quieto. Teria sido, para mim, uma boa oportunidade»!

O Ventor diz-me que só tem de dizer a essa amiga e muitos outros e outras, o seguinte: "Vão, lá! Caminhem antes que seja tarde»! "Lá onde"? «Sei lá! Ao fim do mundo se quiserem, à mercearia, ao café, ao jardim, .... vão ver voar as borboletas»!

Caminhar à sombra do carvalho português é sempre uma alegria. Não é o carvalho do Ventor, esse é o robe, mas todos os carvalhos são lindas belezas e boas companhias para qualquer caminhada

Aposto que ninguém vai! Nem beber café fora da porta desde que o café fique a 50 metros. Preferem pegar o pó-pó e ir beber o café a 1000m! Mas isso também o Ventor faz. Só que ele leva o carro, vai beber o café e, depois deiam-lhe corda! O difícil, é pegar o carro de volta!

Mas nesta caminhada, o Ventor disse-me que até se assustou! Anda por aqueles caminhos sempre só e desta vez tinha umas 30 pessoas ou mais a levantar pó à sua frente! Estava a tirar umas fotos ao recanto das flores e viu aproximar-se um grande Maralhal espalhado por uns bons pares de metros. Pensou em deixá-los passar todos, dar-lhe espaço e seguir atrás deles, e assim fez. Aquele Maralhal, viu o Ventor entretido a tirar fotos ao "Recanto das Flores" (ele chama-lhe assim), e resolveu sentar-se numa sombra próximo a apreciá-lo.

O Ventor ao ver que a coisa não ia correr como ele tinha pensado, abandonou o recanto e resolveu passar pelo meio daquela malta e perguntou, a alguns, se iam a pé para Fátima. "Não", disse o mais velho, estamos a fazer uma caminhada. «Ah»! Disse o Ventor. «É que se fossem a pé para Fátima a sombra não vos levaria lá»! E réu téu téu ...réu téu téu, deram espaço ao Ventor, levantaram-se e foram no encalço dele.

Quando se aproximaram do Ventor estava ele num diálogo com uns vitelos que desceram a encosta espavoridos, direitos a ele, cheios de curiosidade. Mas os vitelos, ao verem aquela malta aproximar-se, começaram a dirigir-se para a zona de onde tinham vindo. E enquanto o Ventor tirava fotos àquelas maravilhas a malta foi passando. Quando eles passaram o Ventor ficou ali e os vitelos, voltaram a rumar, encosta abaixo, direitos ao Ventor, outra vez.

O Ventor ainda teve vontade de andar ao rabisco, mas o objectivo não era esse e, por isso, havia outra tarefa a cumprir. O encontro com os mochos.

Então a coisa foi assim: uma vitela começou a olhar e disse para os outros que conhecia o gajo que ia a passar na "picada" em baixo, mas não sabia como se chamava! Outro olhou e disse que também conhecia o tipo e um 3º gritou: "venham que é o ventor"! E não é que desatou tudo a correr atrás daqueles três!

Eles queriam saber da garça Kity, como foi aquilo com o Bernardo ... sei lá! O Ventor diz que aqueles bichos eram fabulosos.

Apareceram-lhe os corvos, os mochos, as rolas, os melros, ... todos, menos o senhor Cacheiro!

Como vêm, o Ventor deve ter mesmo um pacto com o S. Martinho, com o S. Francisco, com o Senhor da Esfera, sei lá ... pois aqueles animais são prova disso!


O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia

Pág. 1/2