Vejamos! Amor é uma palavra muito utilizada na blogosfera e não só e, às vezes, o Ventor fala-me dele. Por exemplo, quando me tapa com as minhas mantinhas ele está-me a mostrar muito amor.

Quando ele me fala dos amigos abandonados, ele fala-me de muito amor.

Quando ele vem carregado de comer para os meus amigos, às vezes com muitas dificuldades devido aos seus problemas de coluna, ele fala-me de muito amor.

 Nov,17 046.jpg

 

Quico a descansar

 

Digam lá se isto não é amor?! Com o frio que já se pôs, sabe tão bem uma mantinha em cima e os meus amiguinhos lá por fora ao relento. Sinto-me triste! Quando ele me diz que há pelo mundo muitos homens terríveis que, como no Iraque, (degolavam) cortavam o pescoço dos filhos à frente das mães, como aconteceu com estudantes em Bagdad, apenas por dizerem que não gostavam do Sadam, ele também me fala de amor e diz-me qual a diferença entre amor e ódio.

 

Mas apesar de essas façanhas como as que se desenvolveram em Bagdad e por muitas razões que somadas originaram uma guerra, ali como noutros lados, ficamos a saber que amor e ódio são realmente antagónicos. Por isso falamos apenas de amor. O Ventor não compreende porque há tanto ódio nos cérebros das pessoas e como há tão pouco amor quando a humanidade entra em confrontos absurdos, mesmo quando, às vezes, somos levados a tomar posições sem sabermos concretamente como matar o ódio e dar vida ao amor. Mas diz também que, se praticarmos o amor nas coisas simples da vida, será natural que nas difíceis o ódio seja derrotado.

 

No entanto, as coisas simples da vida nem sempre são envolvidas pelo amor. Por exemplo: Um caçador que vai à caça e leva os cães dentro de uma gaiola a trepidar durante Kms, os desgraçados dos cães vão a ladrar, protestando. É simples e natural protestar, não? Mas o caçador é macambúzio e ao abrir a gaiola, o primeiro cão que sai a ladrar leva logo um coice daquele burro em figura de gente. Bastava baixar-se e fazer uma festa ao animal e até pedir-lhe desculpa pela estupidez de o transportar em tão más condições. E muitas outras coisinhas assim! Mas depois há o amor natural que envolve o corpo e a alma e aqueles bichinhos que têm corpo e também amam, terão alma? Vejamos estes!

 

Nov,02 092.jpg 

Estes dois bichinhos, tentam dar continuidade à sua espécie e isso é, certamente, um acto de amor 

 

Out,24 128.jpg

 

E estes? Estarão também a praticar um acto de amor

 

Disto vemos continuamente na nossa caminhada como diz o Ventor e primas destas até eu já tenho visto quando entram pela varanda dentro a gritar: "estou doido (ou doida) por ti”"!

Mas há outras formas de amor como esta. O Ventor estava todo lampreiro a fotografar o gafanhoto, ao mesmo tempo que esta mosca gritava desesperada para que ele a tirasse dali, presa num só fio, daqueles que as aranhas vão largando aleatoriamente pela árvore acima para apanhar vítimas incautas.

 

Aqui o acto de amor está no acto do Ventor libertar a mosca mas, ao mesmo tempo cometeu um acto de ódio para com a aranha, pois não se preocupou se ela iria almoçar ou jantar nesse dia. E esta é a parte que dá origem às guerras, mas tal como o mundo é imperfeito, também os homens, os gatos, todos os animais são imperfeitos nas suas acções. Só que o Ventor não gosta de ratoeiras!

 

Out,24 134.jpg 

Nunca ouviram uma mosca entoar o grito da liberdade? Experimentem!

 

Por exemplo, este bichinho que mete medo a muita gente e origina uma fobia terrível ao Ventor, é produto de muito amor. Creio que nasceu fora de tempo, mas talvez não. O Ventor encontrou-o de manhã e de tarde voltou lá a pensar se seria boa ideia arranjar outra solução para o manter sobre controlo e ver nascer a beleza colorida que, tão maravilhosamente, cruza os ares à nossa frente. Mas ele já lá não estava. Ou foi comido ou os pássaros pegaram-no e tiveram de o largar fora do local pois ele dali, não poderia fugir aos olhos do Ventor.

 

Nov,04 103.jpg 

Uma beleza deste nosso Universo.



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


tags:
publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 23:51