O Ventor tem muitos amigos, mas eu digo que, às vezes, são amigos da onça. Ele diz que não, que é ele o culpado! Eu agora tenho uma horta cá em casa para me dar ervas e boas. Mas o Ventor acha que eu gosto mais das ervas bravas que ele me trazia e ontem foi à procura dessas ervas. Há umas árvores novas que se não fossem regadas já tinha secado e morrido e como o Ventor descobriu esse maná para mim, ontem voltou lá, mas os homens que as regam deram umas cavadelas para aprofundar o local em volta para receber mais água. A minha dona foi com o Ventor e quando deu por isso, deu com o Ventor a fugir e aos saltos. Estava no carro e não apanhou tudo, só apanhou o fim e perguntou-se: «que raio lhe terá acontecido»? Mas o Ventor voltou atrás e tirou umas fotos a estas beldades!

 

Ago,19 172.jpg 

Vespas amigas do Ventor Como os homens cavaram, haviam umas ervas salteadas aqui e ali e ele, de volta da planta, a tentar descortiná-las, deu com a cabeça no ninho das vespas. Sentiu algo estranho à sua volta e elas foram atrás dele 3 a 5 metros, mas houve lá no meio da zaragata uma que se apercebeu que era o Ventor. «Regressem, é o Ventor»! A verdade é que levou duas ferradelas que diz o Ventor que dói que se farta. Parece queimado. Há tantos anos neste mundo e só agora, muitos anos depois, devido a danos colaterais foi atacado por vespas. Mesmo assim, com uma ferradela num dedo e outra na testa, voltou a trás para lhe tirar fotos! Hoje foi a Belém com a minha dona e com a visavó da Joana e do Tomás e encontrou lá o seu amigo negro.

 

Ago,21-anegro.jpg 

Um dos amigos negros do Ventor

 

Ago,21-anegro4.jpg


 

Ago,21-anegro6.jpg

 

Outros amigos negros De repente começaram por ali à estalada uns aos outros, se calhar são como os homens, nunca estão satisfeitos com o que lhes cabe. Provavelmente colocam marcas nas flores e têm por ali as suas coutadas de pasto e depois, devido aos marcos das divisórias, lutam como o Caim e o Abel, porque a luta parece de morte! A verdade é que diz o Ventor, mal deu por isso, andavam eles à luta em volta da sua cabeça. Uma inglesa até gritou: «Oh, my God». "God no, a friend"-tell the Ventor! Será que este gajo está a perder qualidades? Agora mete-se em zaragatas com os bichos! Mas sabem uma coisa, a visavó da Joana, do Tomás e da Maria Teresa, hoje faz 79 anos e o Ventor levou-a aos pastéis de Belém. É uma boa prenda! Nem todos os dias ela lá vai, embora vá muitas vezes, e o Ventor aproveitou para trincar dois pastéis! Agora vão jantar fora. Vai toda a família, menos os que estão de férias, longe! A mim, sabem o que acontece? Fico aqui, seilencioso, a matutar se o Ventor me trás as fotos do jantar e em que escrever amanhã. Sim porque eu sou um gato pensador! O Ventor diz que eu pareço o meu amigo Metistófeles.

 

 

Ago,21-282.jpg

 

Ela e eu somos amigos inseparáveis. Ela foi todos estes anos a minha maior companhia porque está sempre em casa. Digam lá que não sou um gato felizardo! Talvez o Senhor da Esfera permita que nós andemos por aqui mais uns anitos juntos. Como ele e o Ventor são amigos!



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 18:12