... nascidas no Lugar do Sol.

 

Quando as vejo, lembro-me sempre da canção que ouvi em Adrão, quando era puto:

 

Chinchila, chinchila,

Chinchila, meu bem.

Morreu-me a chinchila,

Não tenho ninguém.

 

 
Uma das quatro últimas chinchilas a nascer no Lugar do Sol

 

Em Maio, 14 ou 15 de Maio, nasceram, no Lugar do Sol, mais quatro chinchilas.

Da primeira vez, no ano passado, em Abril, nasceu uma e foi uma festa. Este ano nasceram quatro!

... E lá estão elas, todas lindas, enclausuradas nos seus buracos, nos troncos de madeira, com os papás e o Rafinho. O Rafinho continua sempre alerta a dar as boas vindas ao seu amigo Ventor e o Ventor sabe sempre reconhecer como é bom ter amigos à espera.

 

 

 

 

Mais Chinchilas nascidas no Lugar do Sol. Autênticas belezas!

 

Mas há amigos que não acreditam em ninguém, nem no Ventor, como o casal de águias que, lá longe, treinavam um seu filhote a saber encarar as misérias deste mundo.

Mas antes, enquanto eu brincava com os meus amigos, ela, a mãe, esteve sobre um poste de electricidade, por trás do arvoredo, a observar-nos. Quando eu dei por ela, fugiu rumo aos montes, a sul e lá se entretiveram os três em voos de treino. Uma maravilha podermos observar as águias e não é por acaso que só vi um coelho bravo e, provavelmente, eu terei sido a sorte dele.

 

 

As chinchilas resguardam-se nos buracos destes troncos secos e elas dizem-me que estão tão bem que até parece que estão nas áreas protegidas pelos meus amigos incas

 

Mas, se o Senhor da Esfera o permitir, eu voltarei a caminhar pelo Lugar do Sol e, quem sabe, numa dessas vezes, ainda venha a apanhar uma dessas belas aves de rapina, na minha objectiva.

No entanto, os meus amigos cães, quiseram mostrar-me a nova casa de arrumações dos seus donos e adoram brincar nela quando lhe abrem a porta.

 

 

A Maria pede ao Gaspar para lhe abrir a porta porque não consegue entrar pelo postigo

 

 

Depois a Maria vai embora chateada e o gaspar começa a chamá-la e a dizer-lhe para pedir ao Ventor para lhe abrir a porta. O Stick pede ao Ventor, com os olhos, para a deixar entrar

 

E, como sempre, foi uma belíssima brincadeira, num dia lindo, com a presença do meu amigo Apolo, que sempre gosta de estar presente.

 



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 22:29