Olá, amigos! Olá, Maralhal (como dizia o Quico)!

 

 Eu sou o Gil.

 

Alguns de vocês já me conhecem do Lugar do Sol.

Como, alguns, também sabem, fui encontrado no Algarve, com cerca de um ano de idade, segundo o Vet disse à minha dona. Fui encontrado sem Bilhete de Identidade, sem CU. É assim não é?

 

Mas eu pertenço à cidadania animal deste país que dizem ter sido plantado à beira-mar.

 

A Joana encontrou-me perdido nas ruas algarvias, doente, quase a morrer e, ela, graças ao Senhor da Esfera, às influências do Quico e do Ventor, chorou baba e ranho para que os pais me trouxessem para casa com eles, mas a mãe, que acabou por lhe fazer a vontade, disse-lhe que não tinha onde pôr-me e que, para azar deles e meu, sofre de alergias a gatos. Mas a Joana disse que o Gil seria para levar para a tia Tata.

 

Assim foi!

A tia Tata (a minha Dona) e o tio Tiago (o meu dono), receberam-me e levaram-me ao Vet. O Vet torceu o nariz, como sempre fazem todos os Vet's e lá me foi tratando como podia. Ainda hoje, para meu azar, eu ando com tratamentos mas, como diria o Quico, que o Senhor da Esfera tem, a seu lado, o Senhor da Esfera colocou-me em boas mãos.

 

 

Adoro este miradouro que já foi do Quico

 

Mas sabem a melhor!

Eu vi a minha vida em bolandas!

Só conhecia o Algarve (umas esquinas!) mas, passei a conhecer, também, o Lugar do Sol! Um lugar lindo, num local lindo e, para sorte minha, durante um ano, a minha vida, àparte a minha doença, tem sido uma maravilha. Porém, agora, eu assustei-me mesmo!

Eu já conhecia o ti Ventor e aquela "coisa" linda que foi a Dona do Quico mas, quando os meus donos me disseram que iam fazer uma visita a uma terra chamada Turquia (eu ainda pensei que fosse perto do Algarve), fiquei atormentado! Muito atormentado mesmo!

 

"Sabes Gil, durante uns dias, vais ficar com o ti Ventor e com a tia Gi"!

«Mas, ...  mas, porquê»?

" Porque, nós, vamos visitar uma terra, muito longe, que os homens já, há muitos anos, chamaram Turquia. E tu, para teu gáudio, vais ocupar, por uns dias, o lugar que foi do Quico, ao lado do Ventor. Está bem"?

 

 

O Ventor dá-me cabo da cabeça! Quer que eu aprenda tudo num instante!

 

«Tem de estar. Não tenho outro remédio»! 

«Mas, ... será que o Ventor, que sei ser meu amigo, me tratará tão bem como o Quico»?

"Trata de certeza! O Ventor é gato, como diria a Dasdores, uma senhora da terra dele"!

«Pois eu sei, mas o Ventor, que sei ser meu amigo, sabe que o Quico era o Quico e esta coisa a que chamam gato, chama-se Gil»!

"Pois, mas vais ter de ficar com ele! Se o Ventor e a tia Gi não te tratarem bem, ninguém te tratará"!

 

E sabem a melhor? Eu saí do Lugar do Sol para outro Lugar do Sol! O lugar onde o Ventor e Apolo se dão muito bem e, onde o Ventor, o Quico e Apolo, estarão presentes para sempre!

Os meus donos, entregaram-me ao Ventor e eu, passei as melhores férias da minha vida!
Vocês imaginam o que é passar uns dias ao lado do Ventor?

Ele é um computador aberto!

 

 

Tantos patos, pássaros, cisnes, borboletas, libelinhas, ... até cigarras o Quico tinha por aqui! Chiça!!!

 

Falou-me do Ataturk; falou-me de Solimão (o Magnífico); falou-me das Portas de Viena (o cerco montado pelos turcos do Solimão); falou-me da Batalha Naval de Lepanto (no dia de S. Quintino), no Mediterrâneo, há centenas de anos; falou-me da Antália, na Turquia; falou-me das suas caminhadas ao lado de Alexandre Magno (pela Anatólia), ... de tudo!

Aprendi tanto, estes dias, que vocês nem imaginam!

Se ficasse com o Ventor mais algum tempo e, atendendo às novas tecnologias, ainda ficava como o Quico!

 

Mas hoje, os meus donos chegaram da Turquia e eu, muito contente por os ter a meu lado mas, com muita tristeza por não continuar ao lado do Ventor e, a ouvi-lo a massacrar-me com tantas coisas, voltei ao Lugar do Sol! E já percebi! Vou ter de ouvir os meus donos, nas peugadas do Ventor, a falar-me daquela terra que o Ventor dizia ao Quico, ser o centro de encruzilhadas de todas as civilizações!

 

Eu voltarei, Maralhal!

 



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 23:55