Não tenho nada a ver com o cerco que os espanhóis estão a montar ao seu Rei. Mas, de facto, desta vez, acho que eles estão cheios de razão. Eu até era um admirador desse substituto dos reis conquistadores porque o achava um bom homem e porque conheci pessoas que o conheceram ou trabalharam para ele, nos tempos que ele habitava a nossa Costa del Sol ali, pelas bandas do Estoril-Cascais.

 

A última dessas pessoas com quem falei, não vai muito tempo, encontrei-a na terra do Bocage (Setúbal) e nem sei como a conversa se iniciou mas sei que ela era admiradora daquele que, em tempos, tinha sido seu patrão.

 

Porém, há momentos da nossa vida em que extravasamos, cá para fora, todas as maleficências deste mundo e penso que, tal maleficência, não deve caber na mente de um Rei moderno, cheio de escola e que, até o meu Quico, acharia que deveria ser inteligente!

Não encontro raciocínio quanto baste, num Rei que os espanhóis quiseram e, que, num momento de crise que o povo espanhol atravessa, se armou a  moralizá-los, dizendo que todos os espanhóis teriam de se conter com as despesas desnecessárias porque a crise assim o exigia. Não interessam as palavras que ele disse mas, a base era esta.

 

Logo de seguida, avança para a Botswana e, toca de preparar uma armadilha aos elefantes onde, segundo os espanhóis rezam, daria 30.000 euros para abater uma dessas preciosidades da Natureza.

Eu sei que ele disporia dos 30.000 euros para tal mas, esqueceu-se que esse dinheiro sai da transpiração dos espanhóis que, tal como em Portugal, se esmifram a trabalhar para alimentar determinados tipos de chularia social.

 

 

Como a vida é triste amigo. Até para vocês a milhares de quilómetros! E, por gente que deveria ter outro tino!

 

Mas pior ainda!

Esse homem que os espanhóis aceitaram para seu Rei, cometeu um erro ainda maior! Senão vejamos. Um Rei que faz tudo na sua vida à custa do povo, vai passear com o dinheiro do povo, numa época de grande crise e achou que, seria bom nas últimas caminhadas da sua vida, continuar a matar elefantes, sendo ele um dos defensores do WWF, como presidente honorário do WWF-World Wildlife Fund.

 

Eu que também sou do povo, embora português, que nasci num berço de granito, junto à Galiza, junto daqueles que também pagam os seus impostos para custear o rei, levei muito a mal. Tanto a mal que, se fosse espanhol, me atreveria a gritar, neste dia mundial da voz, bem alto: "abaixo o Rei D. João Carlos II"!

 

 

Uma apresentação de elefantes africanos 

 

Uma tristeza! O Presidente honorário do WWF, o Rei de Espanha, foi a África caçar elefantes. Foi pena foi não ser o elefante a dar-lhe cabo das ancas a ele e a todos que praticam este tipo de caçadas. Acredito que quem ama a Natureza, não passa cartão à anca ou ancas do Rei de Espanha, devido às circunstâncias do dano 

 

Sempre ouvi dizer que o Rei D. João Carlos II, desde os seus tempos de juventude, foi um amigo de Portugal e talvez tenha sido mas, eu, como português, limito-me a dizer que dispenso a amizade de gente assim!

 

Claro que eu não irei querer que o Rei D. João Carlos II ande por aí a partir ancas, a torcer pés, a partir a cabeça, ... mas, se for para caçar elefantes ou outros animais que todos devemos proteger, então sim, pode partir-se todo! Até pode morrer em vez do elefante!

Seria isto que o meu Quico diria!



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


tags:
publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 15:13