Hoje é o teu dia!

Hoje, continuas a caminhar ao lado dos teus amigos, ao lado dos que partiram, ao lado do que ficaram, ao lado deles todos, ao lado de S. Francisco, ... a meu lado!

 

Os meninos da Maria

 

 

Vejam, neste link, em cima, os meninos da Maria no Shutterfly

Gostas dos meus meninos, Ventor?

 

Não vamos ver aqui, juntos, os meninos lindos da Maria. Tu nunca viste aqui, a meu lado, as fotos da Maria, do novo Gaspar, ... o velho Gaspar foi logo a seguir a ti e eu fiquei sem velhos amigos. Fiquei sem ti, sem o Gaspar, sem o Matias (o nosso "Gaiteiro"), sem o Zé, sem ... tantos amigos!

Agora também já não tenho o Zé a ir buscar bolas para mim, para jogarmos, não tenho o nosso "gaiteirinho", a tocar a corneta nos meus ouvidos, já não tenho muitos dos nossos amigos, alguns que partiram ainda contigo a meu lado, como a Cuca, o Chano, a Tara, ... quase todos nos abandonam!

 

Por isso, em homenagem a ti e a eles, aqui estou eu, a recordar S. Francisco, a recordar-te a ti, a recordar todos os nossos amigos, mesmo aqueles de muitos anos atrás mas que tu me ouviste falar deles.

 

 

Dois dos meninos da Maria

 

Hoje encontrei duas formigas d'asa! Recordei-me da primeira que vimos aqui na varanda e tu andavas atrás dela com muito jeitinho para não a magoares e eu disse-te: "mata-a, Quico"! Tu olhaste-me nos olhos e até me pareceu que disseste: "mata-a tu"!

 

Hoje, andei a ver as fotos dos fogos que ameaçaram o teu "Sítio", mas o Senhor da Esfera não quis que os malvados fogos te tocassem. Mas eu já chorei aqui só, a ver uma foto de alguém de Soajo que colocou as minhas árvores queimadas na Net. Nunca imaginei que elas, naquele sítio, corressem esse risco. Aquele belo castanheiro que em 2006 tinha tantas castanhas, tinha as folhas todas enroladas do calor ou ardeu;

O carvalho e o vidoeiro têm as folhas, enroladas e chamascudas, talvez do calor ou arderam mesmo. Não sei que se passsa, mas sei que, no meio delas, está a canecipe verdinha! Será que escapou?

 

Tu estás aí tão pertinho e eu aqui tão longe, com receio de me meter a caminho só para ver se as minhas lindas árvores resistiram às forças abrasadoras do Inferno. Mas não posso! A minha coluna não me deixa e tenho medo de ter de pedir para me irem buscar.

 

Mas, mesmo com alguns azares, ainda tenho novos amigos e cada vez mais novos!

Tenho outros amigos, no Lugar do Sol; os cachorrinhos da Maria, que deixo aqui para que os nossos amigos os vejam; tenho toda a descendência da Isabelinha, os patos, o Tobias ... o Pingas Junior, já morreu! Mataram-no! Como tu sabes, os que por aqui vamos andando, sob o Tecto do nosso amigo Apolo, vivemos num mundo devasso, cheio de gente má, de anedotas, de aldrabões, de tristes e que, também, querem ver todos os outros tristes! São uma cambada de facínoras!

 

Mas, no sábado, enchi-me de coragem e fui até ao Lugar do Sol. Estive com todos os nossos amigos que por lá ainda existem. Já não vi nenhum coelhinho! Andava lá um caçador com cães e espingarda. Depois admiram-se que morram pessoas a estender roupas ou a regar o jardim! Tive vontade de ir ao encontro do gajo e partir-lhe a espingarda na cabeça!

 

Devias de ver a Maria, tão contente a mostrar-nos os seus filhotes! E, havias de ver, também, o Gaspar a querer apanhar, com os pequenos dentes da frente, as calças ao João. O João fugia e o Gaspar a querer apanha-lo pelas calças, com muito jeitinho para não o ferir. O João gritava que o Gaspar queria mata-lo e o Gaspar estava tão feliz, com o Stick e a Maria a observa-los.

"Vou-te caçar! Mas esses raios dessas calças, parecem a tua pele. Não as apanho"!

 

 

"Ah, se dou uma dentadinha pequenina, no rabo do João"! - Diz o Gaspar

 

Mas sabes? Tenho saudades de te ver deitado, no chão da sala, a meu lado. Tu levantavas-te e olhavas-me, nos olhos, quando eu gritava de dores. Agora isso está a acontecer-me outra vez e estou só, sem ti, sem o Rafinho ...

 

Hoje, não tenho dúvidas nenhumas que, tal como o S. Francisco, reconheço que, vocês são os melhores amigos.

Mas eu descobri que tu, sem quereres, quase me matavas! Eu ganhei alergia a gatos e a minha médica queria que eu fosse fazer testes e não quis. Eu não queria ver-me livre de ti e agora não posso ter gatos.

Mas a Dona vai dar de comer a um gato coxinho que mia, lá de baixo, a pedir-nos comer. Se calhar foste tu que o mandaste! Tu sabes que a Dona não o deixaria sem comer! E eu, que sentia uma tristeza enorme quando via as tuas latinhas nos Supermercados, agora já as compro para esse teu amigo.

 

Como João diz: "ah, meu Quiquinho"!



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


tags:
publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 17:46