O João foi para a "escola" e eu já o fui buscar uma vez mas, ele quer mais vezes!

 

 

 

 O João, anda todo encantado com a sua nova vida na sua grande "ESCOLA". No primeiro dia perguntei-lhe se já tinha muitos amigos e ele respondeu-me: "tenho a professora"! Agora diz que gostava de ir para a escola da Joana, mas quando lhe dizem que não pode ser, fica a pensar. Vais ter de pensar muito João, em muita coisa. Só espero que não penses muito em como te tornares aldrabão como muitos que há por aí. Parece que as escolas, há alguns anos para cá, só servem para isso!

 

Fui buscá-lo e espreitar o novo buraco de alguns novos coelhinhos. Gostei de ver a escolinha do João com as maçãs reinetas penduradas da macieira a observar-me.

Vi três "coelhinhos" numa nesa inventada na alcatifa ou carpete a conversarem como três dos meus velhos amigos de outros tempos na escada da tia Bondeira, falando uns com os outros e, tal como nesses meus velhos tempos, nada percebia, também nada percebi da conversa daqueles três mangas. Provavelmente estariam a dizer mal da vida enquanto o João me foi mostrar a frota que a sua bela escola lá tem para darem os seus passeios. O João que tudo fez para eu me sentir bem por aqueles seus novos aposentos, armou-se em Fitipaldi e fez por lá umas curvas apertadas sem capacete mas, portou-se bem.

 

Depois veio comigo, com a tia e a irmã para casa. Fomos buscar a irmã à Escola dela e fomos buscar o João para ficarem por aqui, connosco, a ver os seus programas preferidos, no MEO. Mas o João veio a correr para o Computador para ver o Quico e mais uma vez me perguntou onde ele estava. Eu disse-lhe, como sempre, que ele estava no meio das estrelinhas do firmamento, junto do Senhor da Esfera, mas ele queria mais!

 

Contei-lhe a verdade e ele chamou a irmã para lhe dizer que, afinal, o Quico morreu!

"Morreu, Joana! O Quico morreu, sabes? O Quico morreu"!

 

Mostrei-lhe as fotos e ele pediu-me para o levar ver o Quico. Mas eu disse-lhe que era muito longe e que ele estava debaixo da terra e ficou muito triste. Acho que só agora se apercebeu que perdeu para sempre o seu amigo e que nunca mais lhe agarra o rabo. Ficou parado, muito triste, a olhar a foto do local onde o Quico está enterrado e voltou a repetir a frase "meu Quiquinho"!

O João já tem o sentido da morte, do que é morrer. Há dias, virou-se para a visavó e disse-lhe: "tu estás velhinha e qualquer dia vais morrer, mas eu não quero porque quero continuar a vir ver-te sempre"!

 

Era bom João que fosse assim, que as coisas fossem como nós queremos.

 

Também tem um livro onde as responsáveis por ele e pelos outros descrevem os seus comportamentos, uma espécie de diário. Eu peguei o livrinho e ele disse-me que era o seu "livro das progressões". "É para o meu pai e a minha mãe, mas também podes ler"!

 

Já há uns bons pares de dias que estava para colocar aqui algo sobre esta nova etapa do João, bem como desejar muitos anos de boas "progressões" ao meu amigo NetSapinho. Mas não tenho tido grandes hipóteses de escrever tudo como gostaria. Paciência! Irei caminhando como posso, mesmo que sentado.

 

Boa sorte, João, neste novo trilho da tua caminhada.

 

 

 



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


tags:
publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 21:47