Caminhando entre flores e entre sol e sombra, eis que me senti estar a ser observado. Era este menino!
 
Ouvi, "Pst! Pst! Pst"!

 

Olha, olha! Já que não te identificas ...

Como te vou chamar, penudo?

 

 

 
Chamo-me, Januário!
   
 
 
Januário? Um bom nome, para um novo amigo do Quico e do Ventor
 
E o penudo, lindo, pergunta:
"tu não és o Ventor"?
 
Sou, sim!
 
"Ora, ora! Só tu podias ser o Ventor, a brincar assim com uma aranha. Sabes, Ventor, que só de te ver nessa brincadeira, já não me apetece comer aranhas?
Mas não faz mal, Ventor, sempre sobrarão por aí algumas.
Andarei por aqui e caminharei a teu lado. Disseram-me que tu era amigo dos amigos do Quico e, quem é amigo dos amigos do Quico, será sempre meu amigo.
No entanto, pelo sim, pelo não, não me chego mais!
Sabes, Ventor? Hoje estive com o mensageiro! É lindo o mensageiro, o teu amigo gaio. É quase parecido comigo. Mas olha Ventor, recebi a mensagem do mensageiro a dizer-me que o Quico diz que somos todos filhos do sol».
 
Pois, somos! E, ...
 
"Salvé, Ventor! Andarei por aqui, e ... cá nos encontraremos".
 
E lá se foi mais este lindo amigo do Quico.
Sê sempre bem aparecido, passarinho lindo, ... Januário!
 


O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 14:33