... uma caminhada entre amigos.

 

Hoje, sou eu, o Rafinho que, com a ajuda do Ventor, vos vou aresentar, os meus novos amigos.

Este, em baixo, é o meu novo amigo que veio para substituir o velho Gaspar, atropelado numa estrada aqui perto, quando partiu convencido que iria encontrar os nossos donos.

 

A minha dona foi buscar lá para os lados do Porto este amigo, o Gaspar II que nunca substituirá o outro, mas falar em substituir, é uma maneira ténica de dizer as coisas. Foi assim que o meu amigo Quico me ensinou quando eu passava lá por casa para visitar ele, o Ventor ... toda a família. Eu e o Quico conversávamos muito. Digam lá que este meu novo amigo não é um cão lindo! É um digno sucessor do Gaspar I.

 

 

O Gaspar II

 

Esta menina de baixo, é a minha amiga Maria - a irmã do Gaspar II.

Quando a minha dona foi buscar o Gasppar II, o Gasppar chorava por ela e ela pr ele e, como a pessoa que iria ficar com a Maria desistiu dela, a minha dona resolveu trazê-la também. Assim, já não ficaram uma vida inteira a chorar um pelo outro e são muito felizes aqui connosco. Eles são muito meigos e amigos.

 

 

Maria, a irmã do Gaspar II

 

Depois apareceu o Stick. Mas a história do Stick é diferente. A vida correu mal aos seus donos e resolveram oferecê-lo à minha dona que teve pena dele e acabou por o trazer. Ele é uma meiguice e só passou a haver um problema para resolver entre ele e o Gaspar II. Quem, de facto, vai mandar, cá em casa, depois dos nossos donos? Só poderá ser um, pois não será bom para bem da civilização canina, haver mais do que um comando. Parece que o Stick está a ver se as coisas se compõem e disposto a não reivindicar o lugar de chefe, desde que haja um bom entendimnto entre os dois, pois o Gaspar aceitou-o muito bem e onde está um, está sempre o outro. São os dois bons rapazes.

 

 

Stick, o amigo que entrou no Lugar do Sol, também para ficar

 

Este é o Gil! Esteve a morrer, mas safou-se bem. O Vet dele fartou-se de trabalhar para ajudar o gajo a sair de todas as maleitas que o acompanharam. Agora ele com o dono, já me parecem tão amigos, como eram o Quico e o Ventor. O Ventor disse-lhe para ter cuidado com os peixes e ele disse-lhe logo: "que tens tu a ver com isso? Apetece-me um peixinho"!

Imaginem se lhe dá para lhe apetecer um coelhinho! Mas não, nós somos todos amigos.

 

 

Gil, o gato que sobreviveu a tudo

 

E este que vêm aqui sou eu - o Rafinho da Joana. Eu sou o único, de nós todos, que conheci o nosso amigo Quico e agora eles só querem que eu lhe conte histórias do Quico e do Ventor. Eu ouvi os dois a conversarem sobre muitas coisas e depois, quando o Ventor não estava o Quico ensinava-me a mim as histórias que o Ventor lhe contava. Talvez vos conte aqui algumas que me recorde.

 

 

Eu sou o Rafinho da Joana

 

Mas fica para outro dia. Por agora só vos apresentei os meus amigos, mas também vos digo que estou muito triste. A família das chinchilas, passam a vida a dormir e eu, para me aquecer, vou para junto deles, aqui nas cavernas dos cepos das madeiras, mas como eles só dormem, até parecem lagartos a invernar! já não sei que fazer, até parece que estou aqui sózinho, a ver os cães a passar. Nem o Ventor me conseguiu animar! Mas talvez tudo melhor, pois vem aí a Primavera e já hoje esteve um dia muito lindo.

Como vocês saberão, com a chegada da Primavera, tudo melhora! Os passarinhos começam a cantar mais animados, os coelhos vivem mais felizes, brincam muito, as chinchilas com outro ânimo, passam a ter outra azáfama e eu com elas. Tudo vai melhorar, espero!

Voltarei a passar por aqui se o Ventor me deixar.

 



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 02:25