O Ventor todos os dias leva a minha dona à Fisioterapia e todos os dias dá uma caminhada de cerca de uma hora, enquanto espera.

Ele teve por companhia, nos últimos tempos, os peneireiros da Luz e até descobriu a sua casa, no Estádio da Luz. Posso dizer-vos o que o Ventor me disse. Os peneireiros são uma maravilha! São mesmo, bons companheiros.

 

Hoje o Ventor dedicou-se a outros companheiros de caminhada, tal como este gafanhoto verde, ali mesmo junto ao "Ninho da Pega"!

 

 

Este gafanhoto, até parece sportinguista!

 

 

Será que quer ir par sócio do Benfica? Neste mundo tudo é possível!

 

Mas depois do gafanhoto, o Ventor dedicou-se a estas minúsculas borboletas que lhe disseram que andavam por ali para baralhar a águia. Vejam lá que até estas minúsculas borboletas, que a máquina do Ventor fez crescer, querem ser simpáticas com o Ventor. Elas disseram-lhe que não queriam nada com aquela águia e o Ventor que até gosta dela. Dela, da águia!

 

 

Esta até se pôs de rabo para o ar a fazer uma vénia e a pedir desculpa ao Ventor

 

 

Esta pediu desculpas ao Ventor e ao Senhor da Esfera por ficarem com tão má ideia da águia. Pensavam que o Ventor não gostava dela!

 

 

Esta manteve-se de rabo para o ar e só desfez a vénia quando o Ventor lhe disse que a águia não tinha nada a ver com a Pêga da Luz. Elas não são a mesma coisa. A águia é a águia e a pega é a pega!

 

Este novo companheiro de caminhada do Ventor, continua a observá-lo como tem feito todos os dias. Mas hoje decidiu acabar com a curiosidade e perguntou-lhe porque andava ali atrás dos peneireiros que eram perigosos para ele. Leva os gajos para longe Ventor, senão eles podem terminar com a minha festa por aqui. Olha que esses gajos até gafanhotos comem. Podem fazer-me a vida negra!

 

 

Este rapazola, diz que sabe bem a diferença entre uma pêga e uma águia real. As duas são penudas mas não são a mesma coisa, blá, blá, blá ...

 

Depois, o Ventor continuando a sua caminhada, dedicou-se às flores. Destas não há muitas por aí e ele perde tempo com estas belas flores selvagens para as mostrar a mim e a vós. Mas ele não sabe como se chamam e apenas continua a chamar-lhes, flores.

 

 

Digam lá que não são lindas!

 

 

Aqui a máquina fê-las crescer, para as observarmos melhor!

 

Mas há pouco, quase ao cair da noite, o Ventor, daqui da nossa varanda, viu este cisne. Ele pegou na máquina e foi ter com ele para ver se era um Cisne chegado de fora, cansado, tal como o pato do outro dia. Mas não! Era o filho do Pingas. O amigalhaço do Parque Central! O Ventor perguntou-lhe o que estava o Pinguinhas ali a fazer e ele, disse ao Ventor que foi a sua amiga ali do lado, e apontou para uma garça azul, que lhe disse que o Ventor e o Quico andavam por aqui e resolveu vir com ela para nos fazer uma visita.

 

Mas o Ventor, achou uma história mal contada e disse-me que, provávelmente, zangou-se com o pai e decidiu ir conhecer outros mundos, mas como não se tem exercitado, ao ver estes charcos de água, cá por baixo, terá resolvido fazer uma aterragem forçada e ficar por aqui. O Ventor já me disse que amanhã iria ver o que se passou. Tem de falar com o Pingas!

 

 

Este é o Pingas Jr. que veio ter connosco ...

 

 

... e que foi esta garça que lhe disse que nós estávamos aqui

 

 

O Ventor tirou uma série de fotos à garça e ela nem mexia os olhos, só murmurava para o Ventor que ainda não tinha jantado

 

 

Nesta foto, junto à água, à esquerda do Pingas Jr. está a garça na sua faina de pesca

 

Foi uma tarde um pouco atribulada esta do Ventor, com o nosso amigo Apolo a dizer adeus e o Pingas Jr. por aqui, e o Ventor ainda sem saber o que se passa. Veremos! 



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 00:00