Houve quem fizesse vénias ao nosso amigo Apolo no Solstício de Verão.

O Ventor e eu fizemos aqui, também, na nossa caminha, a saudação especial a Apolo quando ele surgiu ali, do meio das oliveiras, a obrigar o Ventor a esfregar os olhos.

 

Mas na véspera, o Ventor contou-me como foi lindo, os quatro juntos, Apolo, a Primavera, o Verão e o Ventor a brincarem entre as flores ali pelos lados de S. João das Lampas. O Verão tecia elogios ao belo trabalho deixado pela sua mana Primavera e o Ventor era todo sorrisos para ela, enquanto o nosso amigo Apolo, sempre com aquele ar bonacheirão se ria, saltava e pulava por entre as flores.

 

O Ventor achava muita piada àquelas flores rosas, mas perdeu muito tempo a reparar em volta, sem tirar os olhos daquele belo batatal florido. Depois deixou os três na brincadeira e foi para os campos segados, completamente rapados e caminhou um pouco só entre belos muros de pedras amontoadas, através dos tempos, por braços de trabalho.

 

Mas esteve pouco tempo só porque a nossa amiga Primavera, queria dizer ao Ventor como gostou de, mais uma vez, nos ciclos dos Equinócios e dos Solstícios, caminhar a seu lado.

 

No dia seguinte, no tal dia do Solstício de Verão, a Primavera chegou de manhãzinha, pela mão de Apolo, para se despedir do Ventor e vocês nem imaginam como o Ventor adorava aquela linda coroa de flores que ela trazia na cabeça, como sempre faz quando lhe aparece. 

 

A beleza da Primavera de que, ou eu ou o Ventor, já tanto temos falado, agora só volta para o ano. Por isso, sorriem e esperem por 2010!



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 20:22