... e o Ventor,  não se abandonam.

 

O ano passado, pela Primavera, o Ventor viu um sardão ou lagarto, na serra da Mira. Pelos fins do Verão, encontrou o esqueleto de um lagarto igual a cerca de 200 metros e o Ventor pensou que perdera para sempre o seu amigo.

Há dias, o Ventor foi dar uma das suas caminhadas, lembrou-se do seu amigo e resolveu passar junto do seu casarão.  Lá estava ele sobre uma pedra a tomar banhos de sol, mas pelo sim pelo não, ele aproveitou bem o raspanete que o Ventor lhe tinha dado o ano passado por se expor tanto tempo perante hipotéticos inimigos. Num ápice sumiu para o interior do casarão.

 

No regresso, o Ventor voltou por lá e lá estava ele nos seus banhos. Deu oportunidade de o Ventor lhe tirar, com lentidão, cerca de 20 fotos, mas o ventor não via e disparou às cegas. Ele estava sobre a pedra de olhos fitos no Ventor e, se calhar, entretido a ouvir o som da máquina a disparar. Por fim, o Ventor chatiou-se de dar gosto ao dedo por não ver o sardão, pois estava camuflado por trás das ervas verdes e como era um pouco afastado, não via o sardão no ecrã. Das 20 fotos aproveitou 4, o que não foi nada mau, pois servem para nos entretermos, apesar do zoom apanhar as ervas e projecta-las sobre o sardão.

 

 

Olhem esta beleza!

 

Mas o sardão, não está só! Ele tem um vizinho a 200 metros que o Ventor viu ontem. Num ano, o Ventor viu três sardões numa área equivalente a um triângulo com 200 metros de lado. Um vivo, o esqueleto de outro e ontem outro vivo. Um em cada vértice desse triângulo!

 

Portanto, o Ventor  ontem arranjou outro amigo. O Ventor ia a passar num local, olhou em volta e disse para os seus botões: «um belo local para moradia de mais um lagarto». Nem respirou, pois à sua esquerda, um lagarto igual a este, bem rochochudo, pirava-se para a sua toca. Nem deu tempo para o Ventor lhe apontar a máquina. No regresso passou lá mas não o viu.

 

Mas trouxe flores, muitas flores! Uma máquina cheia de biliões de bits só de flores! Cpmo estas e muitas outras.

 

 

Aqui, o Ventor descobriu o red and white

 

 

Nestas flores, uma espécie de estevas (será?), cada flor era um campo de pastagem de miríades de insectos

 

E assim, a brincar, o Ventor andou Kms, fez ginástica que se fartou! Ah, não? Então experimentem! Se um dia tiverem os problemas que o Ventor tem com a coluna (espero que não), verão como é difícil ficar de gatas para tirar fotos rente ao chão. Foi um sobe e desce desenfreado. Então atrás das borboletas nem imaginem as vezes que ele flectiu os joelhos para lhes tirar fotos e sem conseguir.

 

Mas até parece que vos estou a contar novidades! O Ventor faz isto quase todos os dias!



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


música: Let him Liv
tags:
publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 01:37