Os sardões, diz o Ventor, são animais fabulosos. Eu entretenho-me a vê-los aqui nas fotos e basta-me o que o Ventor me diz sobre eles. O Ventor e o nosso amigo Belmiro de Braga, que teve a amabilidade, de nos enviar um sardão de Soajo.

 

Assim o Ventor ficou a saber que, pelas suas Montanhas Lindas, continuam a haver sardões e faz-nos acreditar que o homem, dito animal racional e os outros animais, ditos animais irracionais, afinal, são todos filhos do Senhor da Esfera. Como diz o Ventor, fomos todos feitos na mesma oficina!

 

Agora meditem nisto. Uma vez escrevi, algures por aqui, uma história que tinha por título, o "Abraço de um Amigo". Esse amigo chamava-se Christian e, por acaso, era um leão. Poderia ser outro animal dos muitos que temos visto na vida ou pela Net. Esse amigo Christian e este amigo, o sardão de Soajo, não precisaram de ser chicoteados para serem amigos do homem. O Christan, ao lusco-fusco, fez uma grande corrida na selva, onde lhe quiseram retribuir o estatuto de selvagem, para abraçar aquela que tinha sido sua dona, até um ano antes e que desde essa altura não vira mais.

 

O sardão de Soajo, como se pode ver pela foto do nosso amigo Belmiro, apenas quer que o deixem  em paz e se participarem com um bocadinho de algo que ele aprecie para lhe facilitar a vida, ainda melhor! Apenas estas duas passagens, como muitas outras, nos indiciam que os animais são nossos amigos e que não custa nada que nós sejamos, também, amigos deles.

 

Enquanto o Ventor e a minha dona têm tratado do nosso amigo Branquinho, há pessoas que acham louvável a atitude deles, mas outras, na sua coscovilhice, a única coisa que sabem fazer na vida, só dizem mal deles. Só que eles esquecem-se de uma coisa, quanto mais se cosculha, pior é. Seria mais fácil falarem claro e em voz alta!

 

Mas vou-vos falar dos meus amigos sardões ou lagartos se preferirem. O Ventor andava há anos a ver se via um lagarto e este ano teve a sorte de encontrar um. Dias depois, encontrou, junto à toca do lagarto um camião ou parte dele, de rodas para o ar. Exactamente no sítio onde o Ventor esteve a tirar a foto. Nem nas suas tocas, por mil e umas peripécias, os lagartos estão bem.

 

 

Este é o lagarto que o Ventor encontrou na serra da Mira

 

 

Este é o lagarto de Soajo que o nosso amigo Belmiro nos enviou

 

Digam lá que estes dois não são uma maravilha? Digam lá que não gostariam de dar um bocadinho de fruta ou de carne a um destes lagartos?

Os dois apreciam o seu mundo envolvente.

O da serra da mira, certamente, achou que o Ventor era um intruso na sua vida, no seu habitat. Mesmo assim, teve curiosidade de o mirar melhor e depois de entrar na toca veio espreitar o intruso e o intruso obteve aquilo que queria. Tirar-lhe uma foto e deixar-lhe um olá especial.

 

O de Soajo, adaptou-se bem, aos "intrusos", ou até poderá considerar-se "intruso", ele próprio. Afinal os seus amigos partilham com ele o bem estar sob a tenda do nosso amigo Apolo.

Eu apetecia-me brincar com eles!



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


tags:
publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 21:44