Esta é uma garça.

Como diz o Ventor é uma beleza branca. E é uma beleza branca porque ela faz parte das suas caminhadas. Nas campinas do Ribatejo, entre os chaparros das planícies alentejanas, nos rios Tejo, Sado e seus afluentes, até nas rampas verdes que se debruçam sobre o IC19, etç., ela é companheira das caminhadas do Ventor. E é linda!

 

Dez,01 083.jpg 

Uma garça no rio Tejo

 

Diz o Ventor que estamos na época natalíca e todos se lembram que, quando nasceu o Menino, naquela outra Belém, hoje escravizada por mentes tacanhas que não sabem ou não querem viver em paz, os animais estavam presentes. Vaquinhas, burrinhos, ovelhinhas ... e muitos outros que a estrela iluminou, orientaram a sua mente para Belém, onde se fazia LUZ!

 

No meio desses animais, junto à manjedoura, entre as vaquinhas e as ovelhas, estava uma garça como essa. Dali ela voou sob a luz da estrela que brilhava sobre as colinas de Belém, ajudando a espalhar a mensagem sagrada pelo Mundo! Tal como chegaram os Reis Magos à manjedoura de Belém, também foram chegando vários animais como várias aves que, nos seus voos e caminhadas, ajudaram a espalhar pelos quatro cantos do Planeta Azul a Boa Nova! A Boa Nova espelhava-se como ainda se espelha hoje na beleza que esses seres vivos ainda hoje transportam para contentamento das gentes. Será que nessa manjedoura também haveria um gato? Este Ventor nunca me diz tudo!



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


tags:
publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 19:02