O meu Pilantras, tal como já fazia o meu Quico, costuma assistir por aqui, comigo, às coisas que me fazem meditar e eu vou colocando nos meus Blogs para memória futura. Todos os anos neste dia, homenageamos o nosso Francisco (Quico) e S. Francisco de Assis. Ele olha as fotos e vira-se para me fazer perguntas com o seu olhar lindo. Talvez assim: "porque é que eu tenho um «hábito» tão bonito e S. Francisco andava com um todo rasgado"?

"Porque é que ele é santo e eu sou um pilantras"?

 

DSC03205.jpg

 

Pilantras - o Ticas

 

O Pilantras está, neste momento, sentado na gaveta da secretária a observar o meu Quico e a observar o hábito remendado de S. Francisco que se encontra na sua basílica, em Assis.

 

Parece que me quer perguntar porque lhe chamei Pilantras! S. Francisco, também terá sido um Pilantras e pelos vistos o Senhor da Esfera não se incomodou com isso pois arranjou maneira de que o nosso mundo o reconhecesse como um santo, ocupando assim, um lugar especial junto d'Ele.

 

O Pilantras fica todo encantado quando eu coloco aqui as fotos do Quico e ele observa-o como se já fosse um gato seu conhecido. Todos os anos, neste dia, eu recordo S. Francisco de Assis, e penso como há, em pleno séc. XXI, tanta gente má neste mundo a fazer mal aos animais, tais como aqueles que andam por Moçambique e por toda a África a matar animais, como rinocerontes e elefantes, apenas para juntar mais umas coroas e outros para lhes tirar a pele.

 

O hábito de S. Francisco, remendado de trapos (semelhante às vestimentas das minhas gentes nortenhas, nos meus tempos de criança). Está preservado na Igreja de S. Francisco de Assis. (Foto de Tetraktys tirada da Wikipédia A utilização deste ficheiro é regulada nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada

 

 

É pena que S. Francisco não consiga arranjar maneira de fustigar essas pessoas que, cada um à sua maneira, só fazem mal a este mundo. Às pessoas e aos animais.



O Quico também sonhou ao lado do Ventor. A vida solitária e nefasta dos seus amigos que observava do seu Miradouro, foi sempre, a sua grande arrelia


publicado por Quico, Ventor e Pilantras às 20:33